domingo, 2 de maio de 2010

#açãocontraobullying

Hoje o programa Altas Horas lançou uma campanha muito legal, uma ação contra o bullying. Para quem não sabe, o bullying é o ato de intimidar ou abusar de alguém. O bullying é muito comum em escolas, especialmente com os alunos considerados diferentes por algum motivo - que podem ser os mais variados: o gordo, o magro, o negro, o que usa óculos e por ai vai. O nosso blog já falou sobre bullying no ano passado, mas caso você não tenha lido, você pode clicar aqui e conferir a matéria. Em pesquisa divulgada no ano passado, ficou claro que os estudantes gostariam que casos de bullying tivessem punição - quase 90% dos alunos do ensino médio que responderam a pesquisa - e que boa parte deles - 50% -  sabe de fato o que é o bullying. Eu resolví postar a campanha aqui porque o bullying ainda é uma coisa para a qual não existe uma legislação muito certa, então ele acontece de maneira que as pessoas envolvidas não saibam muito o que fazer ou que medidas tomar. Então vamos todos nos unir contra o bullying, para que isso não mais ocorra com ninguém! E se você tem alguma história para contar sobre bullying escreva pra gente no mundogege@gmail.com e se você tem twitter procure a tag #altashorascontraobullying e não deixe de nos seguir também: http://twitter.com/mundogege !

Um beijo, Ana Paula.

Um comentário:

Fabio disse...

É preciso ter prudência, da mesma forma que chamar um negro de "neguinho" pode ser considerado racismo, tomar alguém como objeto de zueira, mesmo que nem seja com frequencia, vai ser chamado de bullyng...
Os carentes do mundo vão unir as mãos e gritar numa só voz que são vitimas de abuso agora, fato! não que não possam ser, podem sim, mas nem todos são.

Se vc não é sociável, não é legal, não é discolado, não é paciente com piadinhas, obviamente vai se achar vitima, porque vc é um pratio cheio pra todo aquele que tiver uma piada na cabeça, esperando o "timing" certo pra despejar...
Pra mim, falta apenas prudencia de alguns "zuadores" e de alguns "zuados". falta compreensão mutua. è preciso ver isso antes de modificar a legislação...