segunda-feira, 26 de abril de 2010

Validação da beleza: uma outra forma de escravidão

Os movimentos plus size estão a todo vapor, todos os dias nos deparamos com alguma novidade feita ou pensada especialmente para o público acima do peso. Os blogs se multiplicam na velocidade da luz e na TV aqui e acolá pipocam matérias sobre o famigerado universo plus size. Tudo isso para mostrar ao mundo - e também as pessoas acima do peso - que é possível ser feliz acima de qualquer padrão, que não precisamos nos escravizar todos os dias ou nos sentirmos excluídas se não somos como as modelos nas revistas. Ou seja, não precisamos dos grilhões invisíveis dos padrões de beleza, certo? Em teoria, tudo certo, mas continuo vendo um grupo - de mulheres principalmente - que precisa de um instrumento para validar a beleza. Elas precisam se autoafirmar de alguma forma. Para a maioria isso se dá anunciando de alguma forma que se é uma modelo plus size. Veja bem, eu admiro e muito os movimentos em busca de modelos plus size, acho que isso tem aberto cada vez mais mercado para pessoas e lojas de roupas, principalmente, para não mencionar outros setores. Mas, como única forma de valorização da beleza dessas gordinhas, na minha opinião, é inválido. Ninguém precisa ser modelo plus size para ser bela, nem feliz e nem linda. Você pode sim, ser uma bem sucedida modelo plus size, mas não é e nem nunca foi um "validador" da sua beleza. Eu digo isso porque uma boa parcela dos emails que eu recebo é de pessoas me perguntando se podem ou não ser modelos plus size. Eu sempre respondo dizendo que não conheço e nem trabalho com modelos plus size, mas sempre fico me perguntando porque esta "corrida do ouro". E então me ocorreu que as mulheres tentam buscar este status no intuito de se sentirem mais bonitas/importantes. Se eu estiver errada, que me perdoem, mas se no fundo eu estiver certa, eu gostaria que todo mundo parasse e refletisse até onde qualquer pessoa precisa de algum status, alguma palavra que a faça mais bela. Porque não precisamos provar nada para ninguém, entendem? Modelo plus size ou não, eu acredito que todas as pessoas tem algo que as torna belas, basta apenas termos olhos para enxergá-las. Então não é ter um trabalho X que faz de mim uma pessoa mais feliz, entende? Porque senão, o que seriam das gordinhas que não são modelos plus size, como eu mesmo? O que eu sempre venho batendo na tecla é: SOMOS LINDOS, APESAR DE! Apesar do tamanho, cor, opção sexual, peso, time de futebol, religião, região!  Um beijo enorme.

Um comentário:

Papu Morgado disse...

Oi Aninha,
Tenho pensado muito nisso também. Até mesmo na minha trajetória pessoal eu queria muito me sentir bonita, em qualquer tamanho e queria provar para o mundo que isso é possível. Mas em um dado momento eu parei e pensei: isso ainda é uma escravidão, plus size, mas o foco ainda éa beleza! E aí eu mudei meu foco: quero ser feliz, me sentir bem, exigir respeito, ser bem tratada, quero me divertir e ser bonita é algo que virá no pacote, mas não o foco!Acho ótimo esta explosão de modelos plus size, mas isso não é condição para a felicidade de ninguém!
Super pertinente seu texto: afinal para ser feliz gordinha só sendo top model?