quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

Com a palavra: Elenita Rodrigues

O trecho a seguir eu retirei do próprio blog da Elenita, foi postado hoje por ela e eu peço licença para reproduzir um pedaço dele para o Mundo GG. Minha torcida com Elenita começou por algumas pequenas semelhanças acadêmicas (eu não sou Doutora - ainda) e pelo fato de sermos meninas recheadas. Até aí tudo bem, eu apenas me identifiquei com ela. Mas depois comecei a achá-la muito legal, muito verdadeira e acima de tudo, muito valente. Porque é difícil dar a cara num programa público sem fazer nenhuma mudança, nenhuma concessão, afinal, joga-se ali dentro visando um milhão e meio de reais que os telespectadores  escolhem para quem vão dar. Ou seja, é difícil jogar sem pensar no que agrada o público. E para mim, Elenita em todas as suas atitudes foi valente o suficiente para dizer: público, eu sou assim. Foi eliminada? Sim, mas não deixou a sua essência evaporar. Então com vocês, palavras de Elenita Rodrigues.

Sou complexada por ser gorda? ... Gente, ser gordo não é demérito para ninguém! Aliás a maioria dos brasileiros está acima do peso, ser magro é a exceção. Quem não gosta de ver mulher com curvas, que não veja, mas há quem aprecie. O BBB bancou colocar uma mulher real, com curvas, celulite na bunda e, sobre o convite para a Playboy... que bom que está havendo interesse em mulheres com manequim acima de 36! A mulher brasileira precisa aprender que não precisa se encaixar num modelinho de revista de beleza que só serve para fazê-la comprar cosméticos caros, ou pior, morrer aos 27 anos numa mesa de cirurgia para se sentir mais bonita. Cada mulher tem o direito de se sentir bela como é. E se isso ofende algumas pessoas talvez elas não se aceitem em sua magreza ou parca beleza tão bem como gostariam.

Fonte: http://acasosafortunados.blogspot.com/ (blog da Lena)

Os grifos são meus. Coisas que eu acho que toda mulher devia entender antes de declarar guerra ao espelho. Aliás, foi por isso que eu selecionei essa passagem, por achar que ser gordo não é um problema para ninguém.

Bom, eu não sei vocês, mas adooorei cada palavra! 
Beijos e boa quarta. Ana Paula.

5 comentários:

Gelly disse...

Eu também amei cada palavra dela. A gente tem que se amar e ser feliz como a gente é!!!

MIKI disse...

a unica com cérebro naquele programa de 5a
pra completar akelas meninas idiotas fazendo chacota, chamando ela de gorda horrivel!
horrivel eh a gosto de quem ve, mas usar gordo como ofensa ja eh dmais!
adoro seu blog ANA!
=*

Mari disse...

Lindo!!!
Lá no Carnaval em Mariana vi muitas coisas legas também... dentre elas mulheres beeem cheinhas, com uns 20 ou 30 quilos extras desfilando na escola de samba(aliás, na Morro da Saudade tetracampêa) de fio dental e bustiê! Amei. Que coisa linda se amar assim a ponto de querer dividir com o mundo todos os detalhes das curvas...foi emocionante!!Deu vontade de driblar o cordão de isolamento e ir dar um beijinho na buchecha de muito obrigada em cada uma delas!

Milly disse...

Aninha amiga fiz dois layout pra você to esperando você entrar em contanto comigo como deixei um recadinho no Twitter avisando mas nada de você até hoje rsrs

Elis disse...

Acho LINDO td q foi dito.
Era pra ser bem assim...
SEJA COMO É E AME-SE. Mas será q tds tem cacife pra bancar isso???
EU NÃO TIVE!!!
Sempre fui gorda. Sofri td tipo de discriminação possível. Desde ofensas (físicas e verbais) até psicológicas.
Estar fora dos padrões estabelecidos é extremamente difícil. Aceitar td isso é ainda mais. A obesidade sempre limitou minha vida. HJ, não sou mais obesa, sou "cheinha" como dizem, E sim, quero estar nos padrões, justamente pq sei como é o outro lado. vivenciei td sei o q é chorar um dia inteiro pq tinha uma festa de casamento e não poder ir por não encotrar uma droga de vestido q coubesse, ou por saber q o cara q vc gosta disse q vc era muito gorda pra ele. Admiro MUITO que se aceita da forma que é, isso pra mim é um ato de extrema coragem. Mas tb não critico aquelas pessoas q buscam um físico perfeito, pois isso tb é uma questão de bem estar. Se há de correr riscos pra se sentir bem...que corra. Antes arriscar td num dia q passar vários de tristeza e depressão.